Inovação. Palavra-chave em cada projeto da STEINBEIS-SIBE do Brasil, mas que também diz muito sobre aquele que dirige esse ramo na instituição: Fabio Zimmermann. Engenheiro Agrícola formado pela Universidade Estadual de Campinas, ele logo conquistou um MBA em Gestão da Qualidade Total em Serviços e Recursos Humanos pela Universidade de Brasília (UnB) e um Certificado Master Leadership Performance pela Business Performance Academy (BPA, Alemanha), marcando então o que viria a ser o principal foco de seu trabalho. Pessoas.

Foi através de seu trabalho na Escola Nacional de Administração Pública, elaborando conteúdos e formando gestores públicos, que Fabio conheceu Peter Dostler – à época, também professor na ENAP. Um encontro que seria não apenas um passo fundamental para a formação atual da STEINBEIS-SIBE do Brasil, mas também marcaria a origem de seu mote principal, a busca constante por métodos que criem relações mais saudáveis e estimulantes no ambiente de trabalho.

Com uma ampla atuação como consultor, tendo colaborado com mais de 20 instituições nacionais e internacionais, públicas e privadas, tornou-se visível como sistemas, por mais modernos que sejam, são frágeis. Uma fragilidade que não se cria na estrutura do sistema em si, e sim nas pessoas que o compõem. Não basta simplesmente esperar, afinal, o trabalho pelo trabalho; é preciso inspirar e oferecer segurança aos indivíduos. E foi essa visão que veio a pautar os principais projetos que a STEINBEIS-SIBE do Brasil vem desenvolvendo nos últimos anos. Guiados por essa máxima, os cursos exclusivos – que frequentemente têm suas raízes nas pesquisas e ideias do Diretor de Desenvolvimento e Inovação – defendem o potencial das pessoas, buscando estimular dois fatores principais: o comprometimento entre membros de uma equipe e a união em torno de uma causa.

Detentor de um vasto repertório técnico, aplicado tanto à própria STEINBEIS-SIBE do Brasil quanto a projetos desenvolvidos com grandes instituições – como SEBRAE, a própria ENAP, a Aeronáutica, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), entre outros tantos –, Fabio entende que o elemento no qual qualquer projeto ou planejamento se calca é estritamente humano. E, como tal, é infinitamente mais complexo do que se pode enquadrar em um sistema restrito.